Sala do Suicídio (Sala Samobójców)

c070ca924f6b54a2fbfade986e3d9ff8_jpg_290x478_upscale_q90

Dominik (Jakub Gierszal) é um garoto comum. Ele tem um monte de amigos, pais ricos e dinheiro para gastar em roupas de marca. Mas um beijo inocente com um colega muda tudo. Ele sofre bullying e começa a isolar-se do mundo exterior, vivendo todo o seu tempo em seu computador. Ele conhece uma garota anônima que lhe apresenta a “sala suicida”, um lugar do qual não há escapatória. Pego em uma armadilha tecida por suas próprias emoções, Dominik torna-se enredado numa teia de intrigas e gradualmente perde o que ele mais aprecia.

Sala do Suicídio, dirigido por Jan Komasa, conta a história de Dominik, um garoto que, apesar de ter tudo o que quer (material), ainda não está satisfeito. Dizendo assim, parece até que ele é mimado! Mas, não é bem assim.

Começando pelo seus pais que não estão nem aí para ele, só querem saber de status e pronto. Além disso -spoiler- eles tentam manter o casamento, mesmo sabendo que ambos pularam a cerca.

Além do mais, por causa de um beijo que ele deu em um garoto -isso foi por causa de uma aposta- tudo mudou. Esse garoto fica provocando o Dominik, dando algumas indiretas de forma, digamos, sexual. Este acaba acreditando que terá alguma chance com esse garoto.

Todavia, a vida nem sempre está conosco. O garoto das insinuações acaba fazendo uma coisa X com o Dominik por causa de uma coisa Y (não vou contar porque começa os spoilers).

É por esses e outros motivos que Dominik acaba encontrando o Suicide Room e virando amigo da Sylwia (a “garota anônima”, que cita a sinopse).

É um filme MUITO angustiante, com certeza ninguém quer sentir o que Dominik sente, mas quem já sentiu (pelo menos um pouco) sabe como é extremamente ruim. Vi alguns comentários depois que terminei de assisti-lo e muitos deles diziam que o personagem principal é muito mimado e blá blá blá. É aquela história: cada um sabe da dor que tá sentindo. Para os que observam, a dor é passageira ou exagerada, mas para quem está sentindo, é o fim. Falando em fim, o que falar daquele final, ein? socorro! ainda não superei.

“Nós queremos passar pela morte de uma forma digna e sem dor.”

Avaliação: ☆ ☆ ☆ ☆  ♥