Victoria (Victoria)

victoria_tNone_jpg_290x478_upscale_q90.jpg

Victoria é um filme alemão, dirigido por Sebastian Schipper, lançado em 2015, usando apenas o plano sequência, fato que chamou completamente a minha atenção e despertou minha curiosidade.

Victoria (Laia Costa) é espanhola e trabalha em uma cafeteria em Berlim. Em uma determinada madrugada ela resolve ir à uma balada, porém, ao sair, Sonne (Frederick Lau), um desconhecido alemão, a chama para comemorar o aniversário do seu amigo, junto com outros 2. Como ela é nova na cidade e não conhece ninguém, acaba topando, assim forma-se uma pequena amizade entre eles.

Só que nem tudo são flores. Um dos amigos tem uma dívida com um gângster e para pagá-la acaba incluindo seus amigos, inclusive a Victoria, que até então não estava sabendo de nada, afinal não conhecia quase nada sobre aqueles rapazes. Victoria, impulsivamente, decide ajudá-los e entra no jogo como uma motorista, enquanto os outros vão roubar uma certa quantia de dinheiro em um banco. Claro que isso tudo não iria acabar bem.

Eu estou apaixonadamente tensa pelo filme. Começando pela personagem principal, que é muito solitária. Percebemos isso desde a primeira cena, por isso foi tão fácil o Sonne conseguir a atenção dela.

Outro motivo que me deixou nesse estado é o fato de não sabermos quase nada sobre os rapazes, assim o filme fica cheio de mistério e nos deixa com vontade de saber o que está por vir. Além de existir momentos que o som das cenas era retirado e substituído pela trilha sonora, que é angustiante.

Amei a proposta do diretor em utilizar o plano-sequência, porque conseguiu deixar o filme mais real. Mergulhei tanto na trama que até esqueci que era apenas uma câmera capturando a história de desconhecidos.

Victoria não é apenas uma história de amor à primeira vista e um assalto, mas também, é a história de uma jovem que aceita qualquer aventura para sair da sua mesmice, da sua solidão.

Avaliação: ☆ ☆ ☆ ☆ ☆

 

Anúncios

Pecados Antigos, Longas Sombras (La Isla Mínima)

553825.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx.jpg

Estou sendo um fracasso nessa maratona, desculpem-me! Sabe quando bate aquela “abstinência”, preguiça, etc? Então! Isso tá aconteceu comigo #xatiada. Porém, prometi a vocês (e a mim) essa maratona, por isso NÃO VOU DESISTIR \O/. Vamos para o filme do dia.

Pecados Antigos, Longas Sombras (título Br sempre filosófico), de 2015, é um filme espanhol dirigido por Alberto Rodríguez, que se passa no ano de 1980Tudo começa com o desaparecimento de duas irmãs, por isso, Juan (Javier Gutiérrez) e Pedro (Raúl Arévalo), dois policiais de Madri, são enviados para a investigar o caso. 

Esse filme me lembrou a primeira temporada de True Detective por ser dois policiais; o Juan parece o Martin, e o Pedro, Rust (apenas nas características físicas); e a fotografia/cores. A diferença é que em TD, além do fato d’eles desvendarem o caso, sabemos sobre a história pessoal deles. Já em La Isla Mínima, eles só desvendam e pronto.

Pode até ser considerado suspense policial, pois tem cenas que nos deixam aflitos, principalmente, com as perseguições. Só não dei 5 estrelas porque o final poderia ter sido melhor. Conseguiu fechar o longa? sim, mas para um longa como esse foi muito “OK”. Além disso, o final deixou um gostinho de continuação (espero que tenha mesmo).

Avaliação: ☆ ☆ ☆ ☆  

 

 

Lari acompanhou: True Detective – 1ª temporada

Já que True Detective é aquele tipo de série que cada temporada a história se passa em um lugar diferente, com personagens diferentes etc, então resolvi comentar sobre cada uma delas.

true-detective-1a-temporada_t76295_jpg_290x478_upscale_q90Direção: Cary Fukunaga

Canal: HBO

Ano: 2014

Duração: 8 episódios; aproximadamente 60 minutos.

Gênero: Drama, Mistério, Policial

Avaliação: ☆ ☆ ☆ ☆ ☆

Sinopse: A história é narrada por diferentes perspectivas. Ela acompanha as investigações de um crime que teria sido cometido por um assassino em série. O caso é investigado pelos detetives Rust Cohle (Matthew McConaughey) e Martin Hart (Woody Harrelson) em 1995, na Louisiana. Dezessete anos depois, o caso é reaberto e os próprios detetives passam a ser questionados pela polícia, que ainda tentam prender o mesmo criminoso. Passado e presente serão apresentados em paralelo.

Continuar lendo